No Dia Nacional do Voluntariado, conheça histórias de grupos que se reinventaram ou foram criados para atender os mais vulneráveis

BLOG VIDA & AÇÃO
Nunca antes a força do coletivo se fez tão necessária. A pandemia de Covid-19 trouxe insegurança e medo para todos, nos mais variados lugares e nas diferentes classes sociais, mas nada se compara aos desafios impostos àqueles que sobrevivem à margem das políticas públicas. Para minorar esta situação, muitos voluntários arregaçaram as mangas.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 6,9 milhões de brasileiros realizaram trabalho voluntário no ano passado. Mas, devido ao isolamento social, as ONGs de todo o país precisaram afastar das atividades essa força de trabalho tão importante para as instituições.

Dia Nacional do Voluntariado, celebrado em 28 de agosto, destaca a importância dessa atividade que como tantas outras foi afetada durante a pandemia. A data, instituída pela Lei 7.352 em 1985, busca reconhecer e destacar o trabalho das pessoas que doam tempo e talento, de maneira voluntária, para causas de interesse social e para o bem da comunidade.

Em nossa seção Boas Ações de hoje, estacamos trabalhos de alguns grupos de voluntários que se reinventaram ou foram criados para atuar em favor dos mais vulneráveis durante esse período de distanciamento social:

Médico conta como é atuar há 17 anos como voluntário

Ainda no Rio de Janeiro, Felix Zyngier, especialista em clínica médica, há 17 anos trabalha como médico voluntário, à frente do Instituto de Medicina e Cidadania (IMC). A organização sem fins lucrativos atua nas comunidades do Morro Azul, no Flamengo, Parque da Cidade, na Gávea e Tavares Bastos, no Catete. Em quatro anos de existência, o IMC já realizou mais de dez mil atendimentos voluntários de profissionais de saúde.

Só quem faz o trabalho voluntário, sabe o prazer que dá. É uma sensação muito agradável, pois você se sente melhor como pessoa. É um processo que rejuvenesce. Eu digo isso, sobretudo, aos meus colegas médicos que estão na terceira idade para eles fazerem um trabalho voluntário. Isso não vai tomar muito tempo, não vai ser um dispêndio de energia. E isso dá um dividendo de bem-estar pessoal, uma satisfação íntima muito grande”, disse ele.

Neste Dia Nacional do Voluntariado, o médico Felix Zyngier e a psicóloga Nara Matos contaram como é o trabalho realizado pela equipe de profissionais de saúde do IMC em live no perfil do instituto no Instagram.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*